QUEM TEM FAMA...

 

Eu faço mais o tipo mãe brava, até por conta do meu jeito mesmo. Levo as coisas mais a sério, sou menos condescendente. Não bato. Nunca bati. Mas dou bronca, coloco de castigo, não deixo de fazer eles pegarem a roupa que ficou jogada no chão nem um único dia sequer, vigio o tom de voz deles no restaurante, e por aí vai.

Entre mim e o pai, ainda que nós dois sejamos engraçados, carinhosos e legais, eu faço o papel do policial durão e meu marido o do policial bonzinho. Não acho que ele seja um pai leniente. Muito pelo contrário. Ele também dá bronca, vigia, faz eles serem responsáveis e ordeiros. Mas tem um jeito mais leve. Tem uma maior capacidade de deixar para lá, não aplicar um castigo prometido, deixar passar algumas coisas. Eu levo as coisas mais à ferro e fogo.

Na semana retrasada, Luísa estava viajando com a escola e, por uma série de imprevistos, eu fiquei sozinha com o Rodrigo pela manhã e fui encarregada de levá-lo para a escola (normalmente eu saio antes deles acordarem e quem leva os dois para a aula é o pai).

Foi super gostoso. Rodrigo acordou de bom humor, se arrumou rápido, foi conversando comigo pelo caminho. Enfim, foi uma delícia.

No meio do dia, meu marido me ligou e eu comentei das conversas minhas e do Rodrigo pela manhã.

À noite, o pai pergunta para ele:

- A mamãe me contou que você acordou todo bem humorado, se arrumou rápido, foi todo sorridente. E por que com o papai você acorda rosnando, demora para se vestir, vai emburradinho para a escola hein?

- Porque a mamãe é brava. Não dá para fazer essas coisas com ela não!

Tem horas que ser a bruxa má é muito bom!