Uma nova fase

Eis que chegou o tempo. Sempre foram amigos. E algumas vezes, em certas fases poucas e  em outras muitas, inimigos também. Brincavam e brigavam juntos. Ou melhor brincam e brigam juntos.

Nada disso mudou.

Mas de repente surgiu entre eles aquela cumplicidade típica dos irmãos. Das piadas próprias que só os dois entendem, das confidências que trocam à noite no quarto antes de dormir, dos apelidos divertidos que só eles conhecem, da sensação mútua de estarem sendo injustiçados pelos pais, pelos professores, por todos os adultos do mundo. 

Não sei se é porque já são maiores ou se porque a diferença de idade entre eles, de 4 anos, pesa menos agora.

Sei que esse olhar de cumplicidade que surgiu e esse jeito carinhoso que um passou a ter com o outro, dão uma sensação boa demais. Sensação de que o dever está sendo cumprido e de que eles sempre terão um ao outro.